terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Devo castrar meu cão?

Benefícios, riscos e mitos relacionados à intervenção cirúrgica mais realizada pelos médicos-veterinários

Na rotina clínica, o médico veterinário frequentemente se depara com questões como "Doutor, devo castrar meu animal? Por que e quando devo fazê-lo? Qual risco ele corre?. De acordo com o sexo do animal e com os objetivos a alcançar, as respostas podem variar bastante.

O objetivo primário da castração é impedir que os animais possam procriar, evitando, assim, o nascimento de ninhadas indesejadas.Além disso, a castração ajuda a previnir e a tratar doenças diretamente relacionadas ao sistema reprodutivo ou estimuladas pelos hormônios que ele produz.
Machos:

A castração do macho consiste na remoção cirúrgica dos testículos - responsáveis pela produção de espermatozóides e de diversos hormônios, em especial a testosterona - e pode ser realizada tão logo os testículos estejam no interior da bolsa escrotal.
- Benefícios: o macho castrado não poderá mais se reproduzir e não apresentará mais desejo sexual (libido).A reduzida concentração sangüínea de testosterona contribui para a prevenção e o tratamento de doenças prostáticas e neoplasias (tumores).Comportamentos como agressividade, dominância, micção para demarcação de território e tentativas de cópula com "alvos" indesejáveis (almofadas, brinquedos, visitas...) podem desaparecer ou se tornar menos freqüentes, especialmente se a castração ocorrer em cão mais jovem.Se realizada em idade mais avançada, as manias inadequadas poderão persistir por já terem se tornado um hábito, não dependendo mais somente do estímulo hormonal.

- Riscos: os cirúrgicos são pequenos, pois o procedimento é relativamente simples.O cão pode reduzir discretamente a atividade diária e engordar, o que é possível controlar com ajuste na dieta e rotina de exercícios.

Fêmeas:

A cada seis meses, as fêmeas passam pela fase do cio.Nesse período, pode ou não haver um pequeno sangramento vaginal normal.A castração consiste em remover cirurgicamente o útero e os ovários, sendo esses últimos os responsáveis pela geração de óvulos e principais envolvidos na produção dos hormônios reguladores do ciclo reprodutivo, atuando também nas fases de gestação e amamentação.

- Benefícios: a fêmea castrada não produz os hormônios estrógeno e progesterona, reguladores do ciclo reprodutivo, e deixa de ter o útero para abrigar evetuais fetos, o que a impede de se reproduzir e de apresentar cio (não há mais sangramento semestral).Quanto mais jovem for a cadela ao ser castrada, mais a redução dos níveis hormonais contribuirá para a prevenção de tumores de mama.Não é recomendado, contudo, que a intervenção cirúrgica ocorra antes do primeiro cio, por apresentar riscos.Ainda, a castração auxilia na prevenção e no tratamento de outros tipos de tumores, de infecções uterinas graves, de pseudociese ("gravidez psicológica") e ajuda a controlar a diabetes e a epilepsia.

- Riscos: apesar de não comprovado, observa-se que algumas fêmeas ganham peso após a castração, o que pode ser controlado com dieta alimentar e com uma rotinha de exercícios.A castração, especialmente antes do primeiro cio, pode acarretar genitália juvenil (órgãos genitais pouco desenvolvidos), incotinência urinária e infecções na pele.O risco de complicações durante a cirurgia é maior em comparação com a castração do macho, por envolver a abertura da cavidade abdominal, mas torna-se muito reduzido quando realizado por um cirurgião de qualidade.

Mitos:

Macho castrado perde a vivacidade e a alegria: não é verdade.Apesar de alguns animais se tornarem um pouco mais pacatos, continuarão felizes e ativos quando estimulados a brincar.

Anticoncepcionais são uma forma de controle da natalidade: o procedimento contraceptivo mais indicado é a castração.Hormônios com finalidade anticoncepcional até podem ser utilizados pelo médico-veterinário, mas o crescente uso de medicamentos injetáveis ou não, vendidos em estabelecimentos sem supervisão veterinária, é altamente contra-indicado.Tais produtos, além de nem sempre prevenirem a fecundação, podem trazer riscos muito graves à saúde do animal.

Conclusões:

A castração é indicada para diversos fins e seu risco é pequeno, quando comparado aos benefícios preventivos e terapêuticos.Todavia, mesmo sendo uma intervenção cirúrgica comum, não deve ser subestimada.Precisa, por isso, ser sempre executada por médicos-veterinários qualificados (cirurgião e anestesista).Eles a realizarão depois de uma apropriada avaliação pré-operatória, com exames adequados, em um estabelecimento que possibilite o uso de materiais cirúrgicos estéreis e de anestesia do tipo inalatória.Assim sendo, será possível usufruir todos os benefícios dessa intervenção, que incluem o prolongamento e a melhora da qualidade de vida dos nossos companheiros.

Fonte: Revista Cães & Cia, edição 375, agosto de 2010, pág.68

Um comentário:

  1. gostaria de saber se a castração tira o tonus muscular do animal. Se macho, fica com aparência feminina?

    ResponderExcluir